Alergia na história

Actualizado: 18 de oct de 2020


ALERGIA NA HISTORIA

A história das alergias é marcada pela admirável capacidade de observação e pensamento transformador de muitos pesquisadores. O desenvolvimento e os avanços na especialidade de Alergia e Imunologia estão relacionados a resultados extraordinários em pesquisas científicas.

Provavelmente as informações mais antigas relacionadas a um processo alérgico foram consignadas em pedra pelos egípcios: por volta de 3000 aC, o faraó Menes morreu como resultado de uma picada de vespa com um quadro clínico compatível com anafilaxia.

Asma na história

A asma era bem conhecida pelos egípcios, que se referem a mais de 700 remédios por seus sintomas. Séculos depois, os chineses inalaram beta-agonistas de plantas contendo efedrina. O termo asma é de origem grega, derivado de aazein ou "expire ofegando com a boca aberta". Hipócrates a descreve como uma doença que afeta alfaiates e metalúrgicos, e Galen como uma doença causada por infecção brônquica e obstrução das vias aéreas.

Maimonides (século 12 dC) afirma que a asma geralmente começa como um resfriado comum, com falta de ar e produção de catarro. Ele sugere que o tempo seco é benéfico e recomenda, entre outras coisas, reduzir a atividade física e comer canja de galinha robusta e rechonchuda. No século XVII, Bernardino Ramazzini, da Itália, pai da Medicina do Trabalho, estabelece a conexão da asma com o pó orgânico. A abordagem dada no início do século XX às disfunções psicossomáticas como causa da asma atrasa a investigação do componente inflamatório biológico da condição asmática.


Inmunología

O poeta romano Lucanus alude aos membros da tribo Psyllis do norte da África por serem imunes a mordidas de cobra. Os nativos do sudoeste da América do Norte foram mordidos por pequenas cobras para produzir um estado de resistência ao veneno. Mitrídates VI (século I a.C.) sugeriu a ingestão de sangue de animais que se alimentavam de cobras venenosas, antecipando imunoterapia oral específica.

Cronologia

· No século V dC, durante as pragas de Atenas e do Mediterrâneo, a menção mais antiga é feita sobre a epidemiologia da imunidade ao referir que aqueles que sobreviveram poderiam cuidar dos doentes e resistir a infecções subsequentes. As primeiras tentativas de duplicar isso ocorreram no século 11, quando os curandeiros chineses fizeram seus pacientes inalarem extratos secos de feridas de varicela. Embora esse procedimento não tenha sido muito eficaz e tenha tido reações adversas, eles antecipavam a vacinação nasal.

· Em 1795, Edward Jenner usou um vaccinus (um agente de vacas) para produzir uma pústula capaz de induzir proteção. Daí o termo vacina. Mais tarde, Robert Koch (Nobel 1905) e Pasteur aplicam esse conceito.

· Em 1891, Koch prova que os microorganismos causam doenças. Muitos ganhadores do Prêmio Nobel trabalharam na área de Alergia e Imunologia, sendo o primeiro alemão Emil von Behring (1901) por seu trabalho com terapia sérica para difteria.

· Em 1891, John Bostock descreve que a febre do feno (conjuntivite rinérgica) também afeta o trato respiratório superior. Em 1902, Richet e Portier publicaram seus experimentos para produzir anafilaxia. O primeiro teste de alergia cutânea foi realizado em 1893 pelo Dr. Blakely, que aplicou pólen em uma pequena lágrima na pele. Esse fato abriu as portas para a investigação clínica de alergias. Em 1906, Clemens von Pirquet, na Áustria, usou o termo alergia pela primeira vez para descrever alguns sintomas que os pacientes desenvolveram quando tratados com soro de antitoxina de cavalo. Em 1910, Sir Henry Dale identificou o papel da histamina nos mecanismos alérgicos. Além disso, observou-se que os animais que sobrevivem à anafilaxia, posteriormente, são capazes de tolerar o antígeno, tornando-se resistentes. Em 1910, o Dr. Leonard Noon começou os estudos de inoculação com vacinas hipossensibilizantes, com doses progressivamente mais altas do antígeno.

·Em 1910, um médico observou um paciente desenvolver asma após exposição a cavalos, após receber uma transfusão de um doador alérgico a cavalos. Isso demonstrou que existe um fator transferível que pode induzir essas reações.

· Somente em 1966, os irmãos Ishizaka relatam em Denver que, com um anti-soro, a atividade reaginica que produz sintomas alérgicos poderia ser neutralizada. Simultaneamente, Bennich e Johansson descobriram uma nova imunoglobulina no sangue de um paciente com um tipo peculiar de mieloma múltiplo e, posteriormente, conseguiram declarar sua identidade com a molécula que foi desativada pelo anti-soro de Ishizaka. Assim nasce uma nova imunoglobulina, a IgE, à qual são atribuídos os sintomas da alergia.

· A descoberta de IgE permitiu o desenvolvimento de técnicas in vitro ou imunoensaios específicos para IgE e anticorpos contra IgE, podendo assim medir a resposta imune em pacientes com alergias.

Tratamento

Já em 1911, a eficácia do tratamento com vacinas hipossensibilizantes havia sido publicada. Mas somente em 1937, Daniel Bovet (Nobel 1957) sintetizou o primeiro anti-histamínico. Em 1948, Hench e Kendall (Nobel, 1950) introduziram corticosteróides na prática médica. O tratamento anti-inflamatório foi ampliado por Samuelsson, Bergström e Vane (Nobel, 1982), graças às suas descobertas sobre “prostaglandinas e substâncias biologicamente ativas relacionadas” que culminaram em 1990 com o desenvolvimento de drogas que bloqueiam o metabolismo dos leucotrienos. Pesquisas de Jerne, Köhler e Milstein (Nobel 1984) relacionadas a teorias sobre o sistema imunológico e a descoberta do princípio da produção de anticorpos monoclonais também são cruciais. Este último lançou as bases para tratamentos revolucionários com produtos "biológicos", incluindo anti-IgE, que foi recentemente introduzido no tratamento da asma.

Alergia a pólen

A alergia ao pólen parece uma doença antiga. Mas, de fato, dois séculos atrás, ninguém tinha ouvido falar disso. Foi preciso o esforço de um homem que sofreu em primeira mão para convencer o mundo médico do que estava acontecendo.

John Bostock, um médico inglês nascido em Liverpool que praticava em Londres, passou sua carreira acadêmica observando fluidos corporais, com um interesse particular em bile e urina. Todo mês de junho, desde os 8 anos de idade, ela sofre de um resfriado - quando o seio maxilar é bloqueado e há uma sensação geral de peso e cansaço. Essa pontualidade sempre o intrigou.

Em 1819, aos 46 anos de idade, Bostock apresentou um estudo à Sociedade Médica e Cirúrgica chamado "Caso de Doença Periódica dos Olhos e do Peito". Nele, ele descreveu um paciente chamado "JB", um homem "com hábitos extras e bastante delicados". Era um artigo sobre ele. Bostock apresentou os sintomas que ainda afetam aqueles que sofrem de alergia ao pólen - ou rinite alérgica - e alguns dos tratamentos que ele tentou aliviar sua agonia. Estes incluíam sangramento, banhos frios, consumo de ópio e indução de vômito. Nada tinha funcionado.

"Bostock era o que você chamaria de 'cavalheiro científico'. Sua motivação era muito pessoal", diz Max Jackson, professor de história da medicina na Universidade de Exeter. "Havia um desejo de encontrar uma cura, mas também uma necessidade de espalhar o conhecimento do que ele estava sofrendo. É por esses motivos que Bostock nos deu uma descrição muito clara do que estava acontecendo".


Bostock tentou ampliar sua base de pesquisa e, por isso, passou os nove anos seguintes procurando outras vítimas da doença. Surpreendentemente, considerando a prevalência atual dessa doença, este cientista encontrou apenas 28 casos relevantes para seu trabalho.

"Catarro de verano"

No século 19, o ar do mar tornou-se um remédio da moda para todos os tipos de males.

Em um segundo artigo publicado em 1828, Bostock chamou a doença de "frio de verão", porque é no início desta temporada que há uma prevalência mais alta.

"É realmente maravilhoso como ele estava determinado a provar seu ponto de vista", diz Maureen Jenkins, diretora de serviços clínicos da Allergy UK. "Ele estava convencido de que foi causado por algo que aconteceu no verão, mesmo quando ninguém mais acreditou." A comunidade médica não achou que havia um problema.

Bostock conversou com estudiosos de Londres, Edimburgo e Liverpool, mas percebeu que seus colegas sempre o consideravam "sintomas anormais, e ninguém parecia ter testemunhado algo semelhante".

Todo mês de junho, Bostock apresentava os mesmos sintomas. No entanto, o julgamento de Bostock em 1919 atraiu interesse pelos próximos nove anos. "Com relação ao que é chamado de causa da doença, uma idéia prevaleceu de uma maneira muito geral, que é que ela é produzida pelo eflúvio (emanação de partículas) do feno fresco e, portanto, é popularmente chamada ' febre do feno '"(alergia ao pólen é chamada febre do feno), disse Bostock.

Mas ele não concordou inteiramente com essa ideia popular. Ele achava que uma doença recorrente, exacerbada pelo calor do verão, era culpada. No entanto, por três verões consecutivos, para desfrutar de um descanso completo, ele alugou uma casa em um penhasco na costa do sudeste inglês, em Kent. Seus sintomas foram reduzidos de tal maneira que "ele quase escapou da doença". Naquela época, o ar do mar havia se tornado um remédio da moda para todos os tipos de condições e muitos seguiram o exemplo de Bostock.

O jornal britânico The Times relatou em 1827 que o duque de Devonshire estava "afligido pela febre do feno vulgar, que o leva de Londres a algum porto marítimo todos os anos".

Em 1837, o desgosto que este jornal demonstrou em relação ao termo desapareceu, pois relatou que o rei Guillermo IV, que morreria dias depois "" havia sido objeto de um ataque de febre do feno que ele sofreu por várias semanas ".

Este termo ganhou popularidade.

Em meados da década de 1850, a Grã-Bretanha tornou-se famosa por uma espécie de "caça à febre do feno". O médico alemão Philipp Phoebus sugeriu que a prevalência de alergia ao pólen no Reino Unido se devia ao "primeiro golpe de calor" do verão, ao qual os de origem "anglo-saxônica" eram mais vulneráveis ​​porque não estavam acostumados a esse clima.

Hoje, a rinite alérgica é conhecida por ser uma reação do sistema imunológico ao pólen.

Outro cientista britânico teve que sofrer de alergia ao pólen para que a verdadeira causa fosse diagnosticada.

Em 1859, Charles Blackley espirrou violentamente quando cheirou um buquê de flores de grama azul e ficou convencido de que o pólen tinha algo a ver com isso. Blackley realizou extensos testes para garantir que outras substâncias não fossem a causa. Este cientista reduziu sua amostra para pólen de capim, que é abundante em junho nos prados ingleses. O cientista achou que as toxinas presentes no pólen estavam envenenando as pessoas. Outros, influenciados por Bostock, ainda acreditavam que a febre do feno era uma doença.

No final do século XIX, essa alergia foi considerada "a doença da aristocracia", depois que Bostock concluiu que afetava principalmente as classes altas. Segundo o cientista, apenas aqueles com uma disposição delicada foram condenados a sofrer potenciais. Os resorts costeiros e montanhosos, principalmente nos Estados Unidos, estavam se promovendo como locais de fuga de seus efeitos.

Mas nos Estados Unidos, a alergia ao pólen tornou-se moda, devido à sua relação com a alta sociedade. Houve uma onda de jovens ricos entusiasmados com os sintomas. Bostock e seus sucessores não entendiam alergias, o conceito nem era visto até o início do século XX. Hoje, a rinite alérgica é conhecida por ser uma reação ao pólen.

Desde então, o número de pessoas que sofrem dessa alergia cresceu exponencialmente. Existem várias teorias desse fenômeno.

Um deles aponta para a higiene excessiva, que acredita-se tornar o corpo mais vulnerável a alergias. Outros culpam o aumento da poluição ambiental desde a revolução industrial. "Os níveis de rinite estão aumentando e ainda não sabemos o que a causa", diz Jackson.


8 vistas

Entradas Recientes

Ver todo