Buscar
  • Daniel de Jesus

15 de junho Dia Mundial

Actualizado: jun 10

Consciencialização da Violência contra a Pessoa Idosa

Inquerito sobre a situação de violência contra os nossos idosos.

Reconhecer os sinais de alerta de maus tratos à pessoa idosa



Conhecer os sinais de alerta de violência contra idosos não é tão fácil quanto pode parecer. Na maior parte das vezes, pode associar estes sinais a possíveis doenças da terceira idade ou até mesmo à fragilidade da pessoa idosa. Outras vezes, acreditamos nas justificações dos agressores, pois, assumimos que um familiar nunca seria capaz de atentar contra a integridade física ou psicológica do idoso.


Os maus tratos a idosos são um fragilidade mundial

Armações de óculos partidas pode ser um sinal de maus tratos a idosos




Sinais de violência física:


  • Lesões sem explicação como feridas, nódoas negras ou cicatrizes recentes

  • Fraturas ósseas

  • Armações de óculos partidas

  • Marcas que evidenciam o ato de ser amarrado, por exemplo, marcas de cordas nos pulsos

Sinais de violência psicológica:

  • O idoso encontra-se emocionalmente perturbado

  • Isolamento

  • Medo de estar com outras pessoas

  • Depressão não habitual

  • Recusa, sem explicação, participar nas atividades diárias

  • Depreciação e/ou ameaças por parte de membros da família


Sinais de violência sexual:

  • Nódoas negras nos seios ou genitais

  • Doenças venéreas ou infeções genitais inesperadas;

  • Hemorragia genital ou anal sem explicação;

  • Roupa interior rasgada, manchada ou com sangue.

  • Sinais de negligência ou abandono:

  • Perda de peso, má nutrição, desidratação;

  • Falta de condições de higiene;

  • Encontrar-se sujo ou sem ter tomado banho;

  • Roupa ou agasalhos inadequados para a estação do ano;

  • Falta de condições de segurança da habitação (aquecimento, material elétrico sem proteção);

  • Desaparecimento do idoso em local público.


Sinais de violência Financeira/económica:

  • Forçar a pessoa a assinar um documento, sem lhe explicar para que fim se destina;

  • Forçar a pessoa idosa a celebrar um contrato ou a alterar o seu testamento;

  • Forçar a pessoa idosa a fazer uma procuração ou ultrapassar os poderes de mandato;

  • Tomar decisões sobre o património de uma pessoa sem a sua autorização;

  • Levantamentos significativos da conta da pessoa idosa;

  • Mudanças suspeitas de beneficiários de testamentos, seguros ou de bens;

  • Forçar a pessoa idosa a fazer uma doação, nomeadamente para reserva de

  • vaga ou entrada em equipamento.


Reconhecer os sinais de alerta de maus tratos à pessoa idosa:



Direitos dos idosos

Em Portugal, à semelhança da maioria dos países desenvolvidos, a população idosa constitui um grupo importante em relação ao qual têm sido desenvolvidas medidas de proteção social tendentes a minimizar os riscos acrescidos da sua vulnerabilidade.

A sua proteção e a garantia do direito a uma vida com dignidade estão consagradas na Constituição da República, mas também na Declaração Universal dos Direitos Humanos, art.º 1.º e art.º 25.º e no recomendado pelos Princípios das Nações Unidas.


1. Direito à Participação

Independentemente da idade, qualquer indivíduo deve ter a possibilidade de:

  • Participar activamente na formulação e implementação de políticas que afetam diretamente o seu bem-estar e transmitir aos mais jovens conhecimentos e habilidades;

  • Aproveitar as oportunidades para prestar serviços à comunidade, trabalhando como voluntário, de acordo com seus interesses e capacidades;

  • Poder formar movimentos ou associações de idosos.

2. Direito à Saúde

Todos, incluindo os idosos, têm direito à protecção da saúde e o dever de a defender e promover. O direito à proteção da saúde é realizado:

  • Através de um serviço nacional de saúde universal e geral e, tendo em conta as condições económicas e sociais dos cidadãos, tendencialmente gratuito;

  • Pela criação de condições económicas, sociais, culturais e ambientais que garantam, designadamente, a proteção da infância, da juventude e da velhice, e pela melhoria sistemática das condições de vida e de trabalho, bem como pela promoção da cultura física e desportiva, escolar e popular, e ainda pelo desenvolvimento da educação sanitária do povo e de práticas de vida saudável.

3. Direito à Auto-realização

A auto-realização assume, nesta fase da vida, um papel importante, por isso considerou-se igualmente importante consagrar o direito à realização das suas próprias capacidades ou habilidades através de:

  • Aproveitar as oportunidades para o total desenvolvimento das suas potencialidades;

  • Ter acesso aos recursos educacionais, culturais, espirituais e de lazer da sociedade.

4. Direito à Dignidade

Em primeiro lugar, todos os direitos dos idosos devem ter, na sua essência, o respeito pela dignidade humana. Deve haver uma consciencialização e esforço com o objetivo de:

  • Poder viver com dignidade e segurança, sem ser objecto de exploração e maus-tratos físicos e/ou mentais;

  • Ser tratado com justiça, independentemente da idade, sexo, raça, etnia, deficiências, condições económicas ou outros fatores.


5. Direito à Informação

O direito à informação aplica-se o mesmo que à população em geral:

  • Todos têm o direito de exprimir e divulgar livremente o seu pensamento pela palavra, pela imagem ou por qualquer outro meio, bem como o direito de informar, de se informar e de ser informados, sem impedimentos nem discriminações;

  • O exercício destes direitos não pode ser impedido ou limitado por qualquer tipo ou forma de censura.

6. Direito à Alimentação

A Declaração Universal dos Direitos Humanos, a qual Portugal subscreveu, consagra, no seu artigo 25º, o direito humano à alimentação. Assim sendo, a pessoa idosa tem direito a receber pensão de alimentos dos filhos ou outros descendentes desde que não possuam meios próprios de se sustentar.



7. Direitos na Justiça

O sistema de acesso ao direito e aos tribunais destina-se a assegurar que a ninguém seja dificultado ou impedido, em razão da sua condição social ou cultural, ou por insuficiência de meios económicos, o conhecimento, o exercício ou a defesa dos seus direitos.

8. Direitos Sociais

Existem em Portugal um conjunto de direitos sociais atribuídos aos idosos em situações específicas, mas em termos gerais e, segundo a Constituição da República:

  • Todos têm direito à segurança social.

  • Incumbe ao Estado organizar, coordenar e subsidiar um sistema de segurança social unificado e descentralizado, com a participação das associações sindicais, de outras organizações representativas dos trabalhadores e de associações representativas dos demais beneficiários.

  • O sistema de segurança social protege os cidadãos na doença, velhice, invalidez, viuvez e orfandade, bem como no desemprego e em todas as outras situações de falta ou diminuição de meios de subsistência ou de capacidade para o trabalho.

  • Todo o tempo de trabalho contribui, nos termos da lei, para o cálculo das pensões de velhice e invalidez, independentemente do setor de atividade em que tiver sido prestado.

  • O Estado apoia e fiscaliza, nos termos da lei, a atividade e o funcionamento das instituições particulares de solidariedade social e de outras de reconhecido interesse público sem caráter lucrativo, com vista à prossecução de objetivos de solidariedade social consignados, nomeadamente, neste artigo, na alínea b) do n.º 2 do artigo 67.º, no artigo 69.º, na alínea e) do n.º 1 do artigo 70.º e nos artigos 71.º e 72.º.

9. Direito à Independência

Nos direitos dos idosos está também o direito à independência que segundo os Princípios das Nações Unidas têm direito a:

  • Ter acesso à alimentação, à água, à habitação, ao vestuário, à saúde, a apoio familiar e comunitário;

  • Ter oportunidade de trabalhar ou ter acesso a outras formas de geração de rendimentos;

  • Poder determinar em que momento se deve afastar do mercado de trabalho;

  • Ter acesso à educação permanente e a programas de qualificação e requalificação profissional;

  • Poder viver em ambientes seguros adaptáveis à sua preferência pessoal, que sejam passíveis de mudanças;

  • Poder viver em sua casa pelo tempo que for viável.

10. Direito ao Trabalho

No que respeita ao trabalho a pessoa idosa tem o direito de:

  • Exercer a atividade profissional, respeitando as suas condições físicas, intelectuais e psíquicas;

  • Direito à retribuição, direito à prestação;

  • Trabalhar em condições segurança.

11. Direito à Assistência

Segundo a Resolução 46/91 Aprovada na Assembleia Geral das Nações Unidas de 16 de dezembro de 1991, as pessoas idosas têm o direito a:

  • Beneficiar da assistência e protecção da família e da comunidade, de acordo com os seus valores culturais;

  • Ter acesso à assistência médica para manter ou adquirir o bem-estar físico, mental e emocional, prevenindo a incidência de doenças;

  • Ter acesso a meios apropriados de atenção institucional que lhe proporcionem proteção, reabilitação, estimulação mental e desenvolvimento social, num ambiente humano e seguro;

  • Ter acesso a serviços sociais e jurídicos que lhe assegurem melhores níveis de autonomia, proteção e assistência;

  • Desfrutar os direitos e liberdades fundamentais, quando residente em instituições que lhe proporcionem os cuidados necessários, respeitando-o na sua dignidade, crença e intimidade;

  • Deve desfrutar ainda do direito de tomar decisões quanto à assistência prestada pela instituição e à qualidade da sua vida.




Linha do Cidadão Idoso

800 20 35 31 (chamada gratuita) Dias úteis, das 9:30h às 17:30h (Existe gravador de mensagens fora deste horário)

Para que serve? A Linha do Cidadão Idoso é uma linha telefónica gratuita especialmente vocacionada para os problemas da população com uma idade mais avançada, prestando informações sobre os direitos e apoios que assistem aos mais velhos, nomeadamente em áreas como a saúde, segurança social, habitação, equipamentos e serviços. Como funciona? Os colaboradores do Provedor de Justiça que fazem o atendimento da Linha do Cidadão Idoso prestam um atendimento personalizado e, com informalidade e rapidez, disponibilizam os esclarecimentos pretendidos, podendo, se o caso o justificar, encaminhar a situação para as entidades competentes (por exemplo, para o Instituto da Segurança Social, I.P.) e contactar com as instituições pertinentes (como os estabelecimentos de saúde). Para ilustrar o funcionamento da Linha do Cidadão Idoso vejam-se estes dois casos: Caso 1 Um familiar de um cidadão com 93 anos contactou a Linha do Cidadão Idoso porque se encontrava preocupado com o facto de o idoso – portador de uma demência clinicamente diagnosticada – residir sozinho, em meio isolado e afastado da família. Foi igualmente comunicado que o idoso beneficiava de apoio domiciliário, mas este era insuficiente, sobretudo para assegurar a toma atempada dos medicamentos. A Linha do Cidadão Idoso contactou o competente serviço da Segurança Social e, em sequência, o cidadão foi encaminhado para a Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados, na modalidade de descanso do cuidador, ficando também assegurando o seu acompanhamento após a sua alta. Caso 2 Um cidadão com 82 anos contactou a Linha do Cidadão Idoso queixando-se da dificuldade que tinha em obter a prescrição médica necessária para o transporte em ambulância para ir a uma consulta, a qual não lhe tinha sido passada pelo médico que, em vez disso, o encaminhou para o hospital. O idoso deslocava-se de cadeira de rodas, estava isento do pagamento de taxas moderadoras e, nas suas diversas tentativas de contacto telefónico com o estabelecimento hospitalar, não consegui ver solucionado o seu problema, porque a chamada se perdida ou não era, sequer, atendida. A Linha do Cidadão Idoso comunicou com o hospital e, através do seu serviço de ação social, obteve-se a prescrição médica para o utente.





Como Ajudar os Idosos


À medida que as pessoas envelhecem, elas vão percebendo que não conseguem mais fazer as mesmas coisas que faziam no passado com o pé nas costas. Além disso, muitos idosos passam a precisar de ajuda para executar tarefas cotidianas, para sair e resolver problemas. Eles também podem gostar de ter a companhia de alguém para bater um papo e trocar ideias. Com uma mãozinha nas tarefas domésticas, hobbies e atividades, as pessoas idosas podem continuar a ter uma vida plena e satisfatória na melhor idade. Procure maneiras de se voluntariar e ajudar os idosos da sua comunidade para fazer a diferença na vida deles.


MÉTODO 1: ENCONTRANDO OPORTUNIDADES PARA AJUDAR IDOSOS


  • Pesquise lugares onde você possa ser voluntário e trabalhar com pessoas na terceira idade. Converse em casas de repouso, igrejas, organizações, faça pesquisas na internet ou pergunte se os parentes ou amigos conhecem alguém que precise de ajuda. Faça uma lista com todas as oportunidades que considerar interessante.

  • Busque oportunidades para ajudar idosos e fazer algo de que você goste ao mesmo tempo. Digamos que você toque violino. Informe-se nas organizações ou casas de repouso se é possível tocar em uma ocasião especial (como um evento importante) ou regularmente.

  • Entre em contato com organizações de voluntariado. Faça uma lista de lugares onde você queira se voluntariar, ligue para eles e veja como pode ajudá-los. Pense em coisas que gostaria de fazer ou que lhe deem satisfação e parta desse ponto. Você curte trabalhar em contato direto com pessoas e pôr a mão na massa ou prefere estar em segundo plano e trabalhar nos bastidores? Pense no seu estilo e personalidade e busque oportunidades que tenham a ver com você.

  • Procure o telefone nos sites das organizações. Ligue e comunique o seu interesse em se voluntariar.

  • Mande um e-mail para um membro da organização e pergunte como você pode ajudar. Um exemplo é: "Eu tenho interesse em ajudar pessoas idosas e gostaria de saber se vocês estão precisando de voluntários." Mesmo que a pessoa não saiba responder, ela o encaminhará ao departamento certo.

  • Ofereça serviços gratuitos a idosos. Essa ideia é muito interessante para quem tiver uma habilidade em algum ofício, como encanamento ou carpintaria, e puder oferecer a mão de obra de graça. Você pode anunciar seus serviços em um classificado ou falar com algumas pessoas para divulgar aos necessitados.


MÉTODO 2: AJUDANDO EM ATIVIDADES


  • Ajude nas atividades de verão. Alguns idosos gostam de passear quando o tempo está bom. Há uma série de atividades que eles costuma fazer, como passar feriados com familiares e amigos, caminhar ao sol e nadar.

  • Descubra quais atividades o idoso quer fazer e planeje uma opção divertida. Você pode perguntar: "O que você gosta de fazer no verão?" para descobrir os interesses da pessoa em questão e planejar algo de acordo com as preferências dela.

  • Ensine-o a usar equipamentos eletrônicos. Às vezes, o idoso ganha um presente da família ou de algum amigo, mas não sabe como usá-lo, pois não está familiarizado à tecnologia. Pergunte se ele quer que você o ensine a usar o equipamento, como um celular, e mostre o que fazer.

  • Você pode se oferecer para mostrar algumas utilidades do celular para puxar o assunto sem parecer condescendente. Em seguida, mostre a ele como usar o dispositivo e as funções mais importantes, como fazer chamadas, enviar mensagens de texto e usar a lista de contatos.

  • Se sobrar tempo e se a pessoa demonstrar interesse, ensine-a a baixar e jogar alguns jogos ou a usar um aplicativo divertido.

  • Seja voluntário em uma noite de jogos ou em um evento social. A maioria dos lares de idosos promove noites de jogos e coisas do tipo para que os moradores tenham momentos de entretenimento e socialização. Veja se você pode ajudar nesses eventos em uma casa de repouso do bairro. É provável que eles precisem de voluntários para conseguir realizar todas as tarefas do evento!


MÉTODO 3: AJUDANDO NAS TAREFAS


  • Dê uma mãozinha com as tarefas domésticas. Há certas tarefas que são mais difíceis para um idoso e a sua ajuda pode ser providencial. Alguns exemplos de coisas bem úteis a fazer são: varrer e limpar o chão, limpar os banheiros, aspirar o pó, lavar janelas e a cozinha etc.

  • Uma sugestão de aproximação é: "Que tal se eu passar pano no chão para você hoje?" Pergunte quais tarefas precisam ser concluídas e entre em ação!

  • Ajude a arrumar o quintal. Talvez a pessoa idosa não tenha mais tanta mobilidade para abaixar e carregar coisas como um jovem. Talvez o seu vizinho velhinho precise de ajuda com trabalhos no quintal, principalmente no outono e na primavera. Dê uma olhada na casa dele e proponha ações para manter o local limpo e bonito. Fale: "Parece que há algumas ervas daninhas que precisam ser arrancadas no jardim e o gramado deve ser aparado logo." Depois de começar a conversa sobre o assunto, dá para descobrir outras coisas específicas que você pode fazer para ajudá-lo.

  • Retire entulhos do quintal, como galhos caídos.

  • Corte galhos de árvores que ocupem muito espaço ou que estejam para cair.

  • Arranque ervas daninhas do jardim.

  • Recolha as folhas do chão.

  • Corte a grama sempre que necessário.

  • Ajude a remover objetos espalhados pelo quintal para evitar tombos e tropeços perigosos, além do acúmulo de água parada.

  • Ofereça ajuda com a jardinagem. Alguns idosos amam cuidar de jardins e consideram essa atividade um passatempo importante e gratificante. As suas mãos fortes podem ser de grande ajuda para um idoso na hora de lidar com as plantas. Essa atividade exige que a pessoa abaixe e dobre as pernas, fique ajoelhada, fique com as costas curvadas e por aí vai. Muitas dessas coisas são um problema ou até mesmo um impedimento alguém de idade.

  • Vá preparado para trabalhar duro e fazer muito esforço. Coloque uma calça com forro nos joelhos para aliviar a pressão do local quando você abaixar para mexer na terra.

  • Faça compras de supermercado. Muitos idosos precisam de ajuda com as compras, pois eles não conseguem carregar muito peso.

  • Pergunte quais mantimentos e suprimentos estão em falta para fazer uma lista de compras que abasteça a casa do idoso pela próxima semana ou quinzena.

  • Ofereça-se para levá-lo ao supermercado ou simplesmente vá no lugar dele. Se o idoso for junto com você, leve o tempo que for necessário para percorrer os corredores e verificar se vocês pegaram tudo o que estava na lista.

  • Carregue todas as sacolas de compras para a casa do idoso e guarde os mantimentos nos armários e na geladeira.

  • Dê carona para a pessoa de idade, levando-a para resolver pendências. Se você tiver carro e uma carteira de habilitação em dia, reserve algumas horas da semana para levá-lo para fazer todas as atividades externas. Talvez o idoso precise colocar cartas no correio, ir a uma determinada loja, ir a uma consulta médica etc.

  • Antes de sair, converse com o velhinho para descobrir todos os lugares onde ele precisa ir e quais são os horários das consultas médicas, exames ou compromissos. Em seguida, elabore a rota mais eficiente para passar em todos os locais. Não deixe de esperá-lo sair ou ir buscálo na hora marcada.


MÉTODO 4: ELABORANDO UM PLANO EM LONGO PRAZO


  • Descubra quais tarefas devem ser feitas no dia a dia. Existem certas tarefas domésticas que precisam ser realizadas todos os dias, uma vez por semana, uma vez por mês e uma vez por ano, por exemplo. Descubra quais são elas, quem pode ajudar a executá-las e quando. Em seguida, encarregue-se de lembrar todos os envolvidos de cumprirem o cronograma combinado. Se o idoso tiver um ajudante ou se morar em uma casa de repouso, muitas dessas tarefas já estarão prontas.

  • Elabore um planejamento financeiro para o futuro. Pense nas finanças com antecedência para que o idoso esteja preparado para incidentes ou emergências. Arrume um tempo para se sentar com ele e elaborar um plano. É melhor estar precavido e saber o que esperar do futuro para que a pessoa de idade não seja pega de surpresa ou esgote as reservas que tem.

  • Analise a condição financeira dessa pessoa junto com ela. Descubra qual é a renda dela, que patrimônios ela tem, quais contas precisam ser pagas e quais dívidas devem ser quitadas.

  • Trace um orçamento realista e um plano financeiro que ela compreenda e possa cumprir.

  • Crie um cronograma. Com um calendário de atividades bem planejado, você ajuda a evitar que a pessoa idosa se sinta entediada, preenche a vida dela com expectativas positivas e a protege da depressão. Um cronograma de atividades, sejam elas hobbies legais, almoços com amigos e familiares, jogos de cartas etc., deixa a vida desse idoso mais agradável.

  • Converse com o velhinho e descubra quais atividades ele gostaria de fazer com mais frequência. Se for algo como visitar amigos mais vezes, agende um momento para essas visitas. Inclua as atividades favoritas dele no cronograma para que todos os dias haja algo bom para esperar.

Fonte: https://pt.wikihow.com/Ajudar-os-Idosos



Material

A data foi criada em 2006 pelas Nações U
.
Download • 2.89MB
FRASES FINAL
.pptx
Download PPTX • 1.58MB



blockposter-101715
.pdf
Download PDF • 262KB


ultimoooo
.pptx
Download PPTX • 3.57MB




77 vistas0 comentarios

Entradas Recientes

Ver todo